Quando Karl Marx disse que a religião era o ópio do povo, eu não entendia bem o que ele queria dizer. Aliás, por ser católico, eu não concordava com ele. Era absurda sua afirmação atéia. Refleti várias vezes sobre sua sentença e ainda assim não conseguia entendê-la. Com é que pode um cara tão inteligente falar tamanha besteira? Não era possível. Então, deixei sua afirmação permanecer na minha cabeça por mais tempo para, mais tarde, talvez mais amadurecido, compreendê-la.


E hoje, continuando a ser católico com muito orgulho, compreendo e concordo, nesse particular, com a sentença de Marx nos limites propostos por ela em si mesma.


Religião é pessoal (jamais universal, ainda que assim o afirme) e o fato de ser simpatizante desta ou daquela não é motivo para discordarmos de quem quer que seja porque religião não se discute, não se concorda ou se discorda. Ou se aceita pela fé ou não. Ponto. Mas como vivemos em sociedade, é preciso discutirmos COMPORTAMENTOS. Isso independe de religião, afinal, vivemos numa sociedade laica e plural, é preciso haver tolerância e convivência.


Digo isso tudo tendo na mente o episódio de Robinho e Cia. ao recusarem participar de evento beneficente por dar-se em instituição espírita. Isso agrediu moralmente não só as crianças e espíritas, mas todos os cidadãos do mundo. Sim, porque, como Robinho e companheiros, todo mundo tem o direito de escolher sua própria fé, o que não pode ser motivo para segregação.


Casualmente, hoje, recebi o e-mail abaixo que nos faz refletir sobre o assunto.


Como disse, sou católico, mas isso não me impede de "concordar" pontualmente com Marx e ou com o pastor evangélico autor do texto abaixo.


A religião é o ópio do povo? É. Na exata medida em que o remédio passa a ser veneno por excesso da dose.


----------

Excelente reflexão!!!

Parece mentira, mas foi verdade. No dia 1°/Abr/2010, o elenco do Santos atual campeão paulista de futebol foi a uma instituição que abriga trinta e quatro pessoas.
O objetivo era distribuir ovos de Páscoa para crianças e adolescentes, a maioria com paralisia cerebral.

Ocorreu que boa parte dos atletas não saiu do ônibus que os levou.

Entre estes, Robinho (26a), Neymar (18a), Ganso (21a), Fábio Costa (32a), Durval (29a), Léo (24a), Marquinhos (28a) e André (19a) – todos ídolos super-aguardados.

O motivo teria sido religioso: a instituição era o Lar Espírita Mensageiros da Luz, de Santos-SP, cujo lema é Assistência à Paralisia Cerebral Visivelmente constrangido, o técnico Dorival Jr. tentou convencer o grupo a participar da ação de caridade. Posteriormente, o Santos informou que os jogadores não entraram no local simplesmente porque não quiseram.

Dentro da instituição, os outros jogadores participaram da doação dos 600 ovos, entre eles, Felipe (22a), Edu Dracena (29a), Arouca (23a), Pará (24a) e Wesley (22a), que conversaram e brincaram com as crianças.

Eis que o escritor, conferencista e Pastor (com Pmaiúsculo) ED RENÉ KIVITZ, da Igreja Batista de Água Branca (São Paulo), fez uma análise profunda sobre o ocorrido e escreveu o texto "No Brasil, futebol é religião", que abaixo tenho o prazer de compartilhar.
____________ _________ _________ _________
No Brasil, futebol é religião por Ed Rene Kivitz

Os meninos da Vila pisaram na bola. Mas prefiro sair em sua defesa.
Eles não erraram sozinhos. Fizeram a cabeça deles. O mundo religioso é mestre em fazer a cabeça dos outros. Por isso, cada vez mais me convenço que o Cristianismo implica a superação da religião, e cada vez mais me dedico a pensar nas categorias da espiritualidade, em detrimento das categorias da religião.

A religião está baseada nos ritos, dogmas e credos, tabus e códigos morais de cada tradição de fé.
A espiritualidade está fundamentada nos conteúdos universais de todas e cada uma das tradições de fé.

Quando você começa a discutir quem vai para céu e quem vai para o inferno; ou se Deus é a favor ou contra à prática do homossexualismo; ou mesmo se você tem que subir uma escada de joelhos ou dar o dízimo na igreja para alcançar o favor de Deus, você está discutindo religião.
Quando você começa a discutir se o correto é a reencarnação ou a ressurreição, a teoria de Darwin ou a narrativa do Gênesis, e se o livro certo é a Bíblia ou o Corão, você está discutindo religião. Quando você fica perguntando se a instituição social é espírita kardecista, evangélica, ou católica, você está discutindo religião.

O problema é que toda vez que você discute religião você afasta as pessoas umas das outras, promove o sectarismo e a intolerância. A religião coloca de um lado os adoradores de Allá, de outro os adoradores de Yahweh, e de outro os adoradores de Jesus. Isso sem falar nos adoradores de Shiva, de Krishna e devotos do Buda, e por aí vai.
E cada grupo de adoradores deseja a extinção dos outros, ou pela conversão à sua religião, o que faz com que os outros deixem de existir enquanto outros e se tornem iguais a nós, ou pelo extermínio através do assassinato em nome de Deus, ou melhor, em nome de um deus, com d minúsculo, isto é, um ídolo que pretende se passar por Deus.

Mas, quando você concentra sua atenção e ação, sua práxis, em valores como reconciliação, perdão, misericórdia, compaixão, solidariedade, amor e caridade, você está no horizonte da espiritualidade, comum a todas as tradições religiosas. E quando você está com o coração cheio de espiritualidade, e não de religião, você promove a justiça e a paz.
Os valores espirituais agregam pessoas, aproxima os diferentes, faz com que os discordantes no mundo das crenças se deem as mãos no mundo da busca de superação do sofrimento humano, que a todos nós humilha e iguala, independentemente de raça, gênero, e inclusive religião.

Em síntese, quando você vive no mundo da religião, você fica no ônibus. Quando você vive no mundo da espiritualidade que a sua religião ensina ou pelo menos deveria ensinar, você desce do ônibus e dá um ovo de páscoa para uma criança que sofre a tragédia e miséria de uma paralisia mental.

Ed René Kivitz, cristão, pastor evangélico, e santista desde pequenininho


Exibições: 1998

Comentário de Stella Maris em 25 junho 2010 às 15:12
Irineu, sempre bom te ler.
" A religião é o ópio do povo" A mesma frase podemos encontrar em vários contextos, nos escritos de Kant, Feuerbach, Bauer Moses Hess e Heine,.
Moses, em ensaios publicados, adota uma posição crítica e ambígua..." a religião pode tornar suportável.. a triste consciência da escravidão.. da mesma forma que o ópio é útil no caso de doenças penosas"
Talvez, fosse necessário a estes ( jogadores) um pouco da leitura de Hans Kung, Ruben Alves, Leonardo Boff
p.s. Boa reflexão a deste pastor
abçs.
Comentário de Irineu Tolentino em 26 junho 2010 às 0:10
Valeu Stella,

Aliás, vc citou um conjunto de nomes interessantes que valeria um bom estudo. Por que vc não aprofunda o assunto? Eu gosto do seu ponto de vista. Bjs.
Comentário de Stella Maris em 26 junho 2010 às 19:09
Irineu, na realidade a frase " a religião é o ópio do povo" esta afirmação não é de modo alguma marxista.como citei acima vários teóricos já a utilizavam, outro ex: É Heine quando diz;" Bem- vinda seja a religião que verta no cálice amargo do sofrimento humano algumas gotas doces e soporíficas de ópio espiritual, algumas gotas de amor, de esperança e de fé"
E quando o Marx, escreveu a frase , ele não se referiu propriamente as classe sociais.
mas, com relação ao assunto dos jogadores ,ou da intolerância religiosa , o assunto fica bem mais complexo.
Falta de leitura, de contextualização e hermenêutica dos textos ditos sagrado.A narrativa religiosa não é apreciada pelo o que os autores deram a elas e sim pelo que seus leitores fazem uso da mesma.
Quando cito, Ruben Alves, é com o exemplo de sua vida,quando exilado , o mesmo encontrou apoio e fraternidade entre os Espiritas, e não entre os seus( Batistas). Claro que hoje , ele é um Teólogo Leigo. Escrevendo cada vez melhor sobre a tolerância e amor, Já Leonardo Boff, sendo silenciado pela propria Igreja , encontra o feminino em Deus.
Então , me remeto ao cap.13 de 1 Coríntios- O Hino ao Amor.Ali, o que há , é o elogio do

amor, sem que este apareça vinculado a um apelo aos conhecidos dogmas e mistérios.


O amor é eleito como a lei válida par excellence.

-Pode uma posição de fé bloquear o diálogo?
Hans Kung, vai nos dizer;Que há um caminho teologicamente responsável que permite aos cristãos a aceitar a verdade das outras religiões sem renunciar à verdade da sua e sua identidade,porque ninguém detem o monopólio da verdade.Por que o Absoluto fala por meio das tradições de cada povo.
Uma boa leitura tb é Jon Sobrino.que faz uma opção pelos pobres, sem identificação religiosa. vejo com bastante preocupação, a maneira como os evangélicos e a renovação carismática fazem uso da leitura biblica.Mais ainda é a ascenção deles na política.
Finalizo, refletindo que.; As relações com as coisas são de manipulaçães, mas com as pessoas são de convivências, que fazem parte da vida do homem, é então um constante apelo ao diálogo, à comum união, isso exige respeito, deixar o OUTRO ser ele mesmo.
abçs.
Comentário de Irineu Tolentino em 27 junho 2010 às 16:10
Pois é, fico imaginando quantas discussões inúteis, contendas e guerras foram (e são ainda) travadas com base apenas em leituras superficiais ou falta de.
Se a humanidade caminhasse sempre rumo à convergência, ao invés da divergência e individualidade, o mundo certamente seria melhor. Essa melhoria passa, necessariamente (e primeiro), pelo mundo das idéias, que, no dizer de Tristan Bernard, "concordam bem mais entre si do que os homens".
Como eu disse, vc sempre tem positivo algo a acrescentar Stella.
Bjos.

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço