"RIO 2". O VOO DA HISTÓRIA SE DÁ ENTRE A ASA DO MAIS PURO E O TEMOR DO MUNDO SELVAGEM

Os capitalistas Tico e Teco voltaram a conversar sobre o mundo contemporâneo, acompanhados pela diarista Aparecida e pela filha Bytes, no dia 31 de março de 2014, nos 50 anos do golpe militar no Brasil.

Tico: No dia de hoje oficias militares brasileiros assinaram o Manifesto dos 13 Generais contestando a legitimidade do governo. Eles condenaram as atitudes do presidente Floriano Peixoto contra rebeliões que se espalharam pelos estados e solicitaram a convocação de nova eleição para a presidência da República. Durante o seu governo, o segundo da República, após a renúncia do marechal Deodoro da Fonseca, Floriano sofreu com insurgências como a Revolta da Armada no Rio de Janeiro, chefiadas pelo almirante Saldanha da Gama, e a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul que terminou em polêmica após a troca do nome da futura capital de Santa Catarina de Nossa Senhora do Desterro para Florianópolis em homenagem ao presidente. Floriano determinou ainda a reabertura do Congresso e conduziu medidas econômicas em decorrência dos efeitos causados pela crise financeira após o estouro da bolha financeira do Encilhamento, como o controle sobre o preço dos gêneros alimentícios de primeira necessidade e os aluguéis. Entre o fim de 1891 e 15 de novembro de 1894, governou de forma inconstitucional, pois rezava a Constituição da época de que o vice assumiria apenas para convocar novas eleições presidenciais, o que não foi feito. Floriano entregou o poder em 15 de novembro de 1894 ao seu sucessor, Prudente de Morais, e faleceu um ano depois em sua fazenda. No fim, recebeu o título de "Consolidador da República", mas em seu testamento disse que a consolidação republicana no Brasil foi graças a todos que lutaram por ela. O Manifesto dos 13 Generais ocorreu há 122 anos.

Teco: No dia de hoje chegou ao fim o Pacto de Varsóvia, um dos símbolos da Guerra Fria. A aliança militar dos países socialistas do Leste Europeu foi formada em 14 de maio de 1955 com o objetivo de se contrapor à Otan, a aliança militar ocidental liderada pelos Estados Unidos. O tratado foi firmado em Varsóvia, capital da Polônia, no qual os países-membros se comprometeram a se alinhar com a política de Moscou e estabeleceram o compromisso de ajuda mútua em casos de agressões militares proferidas pelo Ocidente. Além da extinta União Soviética, assinaram o documento a Alemanha Oriental, Bulgária, Hungria, Polônia, Tchecoslováquia, Romênia e Albânia. A Iugoslávia, por oposição do marechal Tito, se recusou a ingressar no bloco militar. Com base no tratado, tropas de Moscou puderam reprimir manifestações em países com a Hungria, em 1956, assim como na Tchecoslováquia, em 1968, na chamada "Primavera de Praga". Com a Queda do Muro de Berlim e o fim da União Soviética, o Pacto chegou ao fim em 1991, no mesmo dia em que Moscou solicitou ingresso na Otan, o que não ocorreu. Seis anos depois, a aliança militar ocidental convidou a República Tcheca, Hungria e Polônia a ingressarem na organização que não foi extinta após a comunidade internacional proclamar que a Guerra Fria já não fazia mais parte da história. Para Moscou, o objetivo da existência da Otan era isolar a Rússia na sua área de influência. O fim do Pacto de Varsóvia ocorreu há 23 anos.

Bytes: No dia de hoje os Estados Unidos tomaram posse das Índias Ocidentais Dinamarquesas depois de pagarem US$ 25 milhões à Dinamarca e renomear o território como Ilhas Virgens Americanas. Para Washington, as ilhas no Caribe eram estratégicas para o controle militar do canal do Panamá em seu escoamento econômico. Há 97 anos.

Aparecida: Por falar em aliança militar, o ministro da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, ordenou hoje que o general Philip Breedlove, comandante das forças da OTAN na Europa, retorne com urgência para o Velho Continente, devido à inquietante situação na fronteira entre a Ucrânia e a Rússia. O general estava em Washington para prestar depoimento no Congresso estadunidense. O que você acha?

Bytes: Ontem terminou, sem solução, a reunião entre os chefes da diplomacia dos Estados Unidos e da Rússia em Paris. O estadunidense John Kerry disse que qualquer acordo diplomático com Moscou passará pela retirada de tropas russas na fronteira com a Ucrânia. Hoje, a comissão para a Comunidade de Estados Independentes, a integração euroasiática e contatos patrióticos da Duma do Estado, o Parlamento russo, votará sobre o rompimento do acordo firmado com o presidente deposto Viktor Yanukovich sobre a presença da frota russa do mar Negro na Ucrânia. A proposta foi encaminhada na sexta-feira pelo presidente Vladimir Putin.

Aparecida: Por falar em Yanukovich, ele apareceu na TV na sexta-feira e propôs a federalização da Ucrânia e não eleição presidencial para impedir a desintegração do país. problemas do país, a realização desse projeto num futuro próximo será pouco provável. “Como presidente, que vos tem na alma e no pensamento, apelo a cada cidadão sensato da Ucrânia – não deixem os usurpadores utilizá-los! Exijam a realização de um referendo para a definição do estatuto de cada região como parte da Ucrânia”, declarou o presidente deposto. O que você acha?

Bytes: Ontem houve um embate no centro da cidade ucraniana de Odessa entre partidários pós e contra a integração do município à Rússia. O confronto terminou com o lançamento de ovos por parte dos dois grupos. A polícia teve que intervir. No encontro em Paris, o chefe da diplomacia estadunidense disse que Washington não aceitará a proposta de Moscou de federalização da Ucrânia para evitar a desintegração do país. "Não cabe a nós tomar qualquer decisão ou acordo sobre a federalização. Cabe aos ucranianos", afirmou o secretário de Estado norte-americano. Na conversa com jornalistas, o colega russo, Serguei Lavrov, disse que que a formação de uma federação é a única forma de garantir a estabilidade e a neutralidade na Ucrânia. Ele negou que as tropas russas na fronteira tenham o objetivo de invadir o país vizinho. Em entrevista ao canal russo Pervy, acusou o Ocidente em planejar a desintegração da Ucrânia: “Vendo o problema com amplidão, constatamos que nossos colegas ocidentais durante muitos anos têm criado condições para separar a Ucrânia da Rússia. Quando se deram conta de que não tinham razão e que cometeram um erro, ao empreender ações que minavam todos os acordos celebrados depois da destruição da União Soviética, não souberam reconhecê-lo, devido ao falso sentido de orgulho”.

Aparecida: Por falar em Ucrânia, jovens militantes do partido Setor da Direita tentaram ocupar o Parlamento ucraniano para exigir a demissão do ministro do Interior após a morte do líder Alexandr Muzichko, após confronto com a polícia. Agitando bandeiras pretas e vermelhas do movimento e com os rostos cobertos, eles chegaram a quebrar janelas do prédio, mas a manifestação acalmou depois da chegada da polícia. A invasão não aconteceu, mas uma marcha com cerca de mil militantes.

Bytes: O movimento Setor da Direita foi transformado em partido político na semana retrasada. Até agora não foi explicada a morte de Muzichko. Ele teria sido morto pela sua própria arma quando foi abordado pela polícia sob a acusação de fazer parte do crime organizado. O movimento que liderava causava apreensão por causa da sua ligação com o antissemitismo. Em Israel, os deputados chegaram a discutir a deportação de judeus ucranianos devido à instabilidade política. Os jovens do Setor de Direita foram também os protagonistas que invadiram os prédios públicos durante o auge da crise ucraniana em cenas que vimos pela TV. Eles também são acusados de atirar contra manifestantes e policiais na praça da Independência em Kiev.

Aparecida: Qual será o resultado da eleição ucraniana?

Bytes: O que sabemos é que o candidato favorito Vitali Klitschko, ex-campeão mundial de boxe e líder do partido O Golpe, desistiu da disputa. A ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko, que estava presa acusada de corrupção, disse que irá se candidatar. Ela foi flagrada num grampo telefônico ilegal, que parou na Internet, dizendo que os "malditos russos deveriam ser exterminados com bombas nucleares". E surgiu no cenário um partido nascido na Internet: o UIP. O candidato Darth Vader, que se manifestava usando a roupa do personagem da saga "Guerra nas Estrelas", foi proclamado candidato do Partido Ucraniano da Internet. "Após ter vencido as eleições primárias do partido, o camarada Vader será nosso candidato", anunciou o líder do UIP, Dmitry Golubov. “Sou a única pessoa capaz de transformar nossa república num império, de obter novamente as glórias do passado, recuperar os territórios perdidos e seu orgulho”, afirmou o candidato em comunicado divulgado pelo partido.

Aparecida: Os candidatos conseguirão cumprir as suas promessas?

Bytes: A avaliação é de que a Ucrânia está falida. Os Estados Unidos e a União Europeia prometeram ajuda financeira para o país sair da crise. O concreto é que o Fundo Monetário Internacional já foi acionado. O FMI prometeu um empréstimo que pode chegar a US$ 18 bilhões desde que faça "reformas". O primeiro-ministro ucraniano, Arseni Yatsenyuk, já garantiu a redução de 20% no número de funcionários públicos. “Estamos demitindo cerca de 24 mil dos 249 mil funcionários”, disse ele, falando no Parlamento na última quinta-feira. O preço do gás também aumentará: em maio para os consumidores domésticos e em junho para os produtores. Haverá alteração ainda na tabela do Imposto de Renda. Está sendo proposta a escala fiscal progressiva: “Quem ganhar mais de 300 mil grivnas pagará 30% de imposto, e quem tiver as receitas superiores a 500 mil grivnas pagará 25%, explicou Yatsenyuk ao Parlamento.

Aparecida: A Ucrânia será aceita como integrante da União Europeia?

Bytes: Esta pergunta foi feita pelos jornalistas na última quinta-feira ao presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso. Ele respondeu: "Porque seus membros de momento não estão dispostos a dar este passo. Consideram que não só a Ucrânia não está pronta para isso como também a União Europeia não está pronta, atualmente, para absorver um país como a Ucrânia. Sempre dizemos, porém, que a porta da entrada não está fechada e que esta opção existirá no futuro”, Segundo Barroso, para que se possa oferecer a filiação na União Europeia à Ucrânia, “deveria haver a concordância dos países membros do bloco econômico, mas estamos longe disso”.

Aparecida: Moscou quer mudar as fronteiras da Europa como ocorreu nas duas guerras mundiais?

Bytes: O que podemos afirmar é que um vídeo protagonizado por Yatsenyuk, o novo primeiro-ministro ucraniano, escandalizou a Sérvia. Ele mostra um novo mapa no qual os países da ex-Iugoslávia aparecem anexados à Croácia, de fé católica. Enquanto isso, as TVs da Rússia e da Sérvia mostraram na segunda-feira passada imagens dos bombardeios da Otan contra a Iugoslávia há 15 anos, nas quais se vêem prédios em chamas e pessoas feridas e em pânico, num verdadeiro cenário de guerra. “Agora que o milagre da Crimeia aconteceu e os russos se uniram… o Ocidente está outra vez a chorar lágrimas de crocodilo e a tentar convencer-nos que é um protetor dos direitos e uma fonte de humanismo”, disse Alexander Prokhanov, comentarista político do canal estatal Rossiya-2. No programa especial dos 15 anos do bombardeio na Iugoslávia, o Ocidente é retratado como o que deseja redesenhar o mapa da Europa. A mesma visão foi compartilhada pelo jornal estatal "Rossiiskaya Gazeta". “O resultado da agressão da Otan foi o colapso final da Iugoslávia e a declaração unilateral de independência do Kosovo com os aplausos de Washington e da maioria das capitais europeias”, escreveu o diário. "Não é possível deixar de sublinhar a hipocrisia dos políticos ocidentais que agora acusam a Rússia – à qual a Crimeia se juntou como resultado de um referendo popular e praticamente sem nenhum tiro disparado – de estar a violar a lei internacional”, acrescentou.

Aparecida: Por que houve a mudança de discurso de Moscou com o Ocidente no governo Putin?
Bytes: Quando foi indicado pelo presidente Boris Yeltsin para ser primeiro-ministro, o ex-agente da KGB disse a Duma, em 1999: "A integridade territorial da Rússia não está sujeita a negociações. (...) Tomaremos ações duras contra qualquer um que viole nossa integridade territorial. A Rússia tem sido um grande poder há séculos, e continua sendo. Sempre teve e ainda tem áreas de legítimas de interesse no exterior, em antigas terras soviéticas e além. Não devemos baixar nossa guarda, nem deixar que nossa opinião seja ignorada". Para muitos analistas, Putin tentará reerguer a União Soviética porque crê que ela foi desmantelada propositalmente pelo Ocidente por motivos geoestratégicos.

Aparecida: Por falar em geoestratégia, o presidente romeno Traian Basescu declarou que “Putin olha com grande apetite” para a foz do Danúbio no mar Negro e que a “imprevisibilidade” da Rússia pode significar que em breve o distrito de Odessa, a Transnístria e parte da Ucrânia Oriental ficarão sob controle da Rússia. “É perfeitamente claro que a Geórgia em 2008 se seguiu a Ucrânia em 2014 e que cada político, cada militar, se deve questionar: o que se seguirá? Poderá ser a Transnístria e a República da Moldávia, ou as regiões do sul da Ucrânia, desde a Crimeia e até Odessa, ou até ao delta do Danúbio? Isso são questões que cada um pode colocar nas atuais condições de ausência total de garantias firmes por parte da Federação Russa”, disse o líder romeno que terá em seu país uma base militar estadunidense com um sistema antimíssil.

Aparecida: A Rússia quer conquistar o Leste Europeu? Hoje Moscou informou a chanceler alemã, Angela Merkel, que vai retirar "gradativamente" as suas tropas da Fronteira com a Rússia.

Bytes: Hoje o presidente interino da Ucrânia visitou a base de treinamento da Guarda Nacional do país perto de Kiev, e criticou a visita que o primeiro-ministro da Rússia, Dmitri Medvedev, está fazendo à península da Crimeia. "a presença de um representante de um Estado estrangeiro no território da Ucrânia sem o consentimento da parte ucraniana é uma violação das regras que marcam as relações internacionais", disse o comunicado do governo interino ucraniano. Para Kiev, a região autônoma da Crimeia ainda pertence à Ucrânia.

Aparecida: Os Estados Unidos também não reconhecem a anexação da Crimeia à Rússia. As sanções econômicas impostas por Washington com anuência de Bruxelas darão resultado?

Bytes: As sanções são prejudiciais para todo os lados, principalmente o europeu. Quando as administradoras de cartões Visa e Mastercard suspenderam operações na Rússia, Putin anunciou um sistema estatal para substituí-lo. "Em países como o Japão e a China estes sistemas funcionam, e funcionam muito bem. Eles começaram originalmente como sistemas puramente nacionais, dedicados ao seu mercado, seu território, sua população, e agora estão ganhando cada vez mais popularidade”, disse o líder russo numa reunião com membros do Conselho da Federação, o Senado russo. Em entrevista à BBC, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que as sanções econômicas contra a Rússia podem ser o gatilho que falta para forçar muitos países a criar um sistema financeiro novo, independente, baseado na economia real. "O mundo está mudando rapidamente. Quantas civilizações nasceram e morreram no curso da história? Quem saberá resistir contra a pressão de sistemas moribundos, e indicar ao povo o caminho para o futuro?", disse ele. Enquanto isso, o ministro da Economia Alexei Ulyukayev disse que se a fuga de capitais continuar, o país terá uma retração de 1,8% do PIB.

Aparecida: A Europa poderá viver sem o gás russo?

Bytes: A Europa consome 70% do petróleo e 65% do gás, energia exportada pela Rússia. Washington prometeu a Bruxelas o gás de xisto, mas sairá muito caro numa travessia atlântica. Na semana passada, o ministro da Economia e da Energia da Alemanha, Sigmar Gabriel, disse que não há alternativa para o gás russo, mas lembrou que, durante o auge da Guerra Fria, Moscou nunca "rompeu contratos".

Aparecida: Por falar em contratos, as autoridades finlandesas rescindiram o contrato para o fornecimento de de mísseis táticos ATACMS estadunidenses no valor de 100 milhões de euros. "O projeto foi congelado por motivos financeiros. Ele é muito caro e possui um sistema já obsoleto", disse o porta-voz do Ministério da Defesa da Finlândia, Arto Koski, em entrevista à TV filândesa YLE, no sábado. O que você acha?

Bytes: O que podemos afirmar é que o presidente finlandês, Sauli Niinisto, disse na segunda-feira passada durante a Conferência de Haia para discutir o desarmamento nuclear, que as relações bilaterais entre a Finlândia e a Rússia não sofrerão impacto devido à crise ucraniana. A reunião teve a presença de 53 autoridades governamentais (acima). "Helsinki tem tradicionalmente mantido boas relações com Moscou", disse Niinisto. Segundo ele, o seu país pretende continuar a realizar reuniões bilaterais com a liderança russa, "se os interesses da Finlândia o exigirem". Na semana retrasada, Bruxelas recomendou cancelar tais reuniões. Ao mesmo tempo, Hungria e Chipre declararam que não vão aderir às sanções econômicas da União Europeia da qual fazem parte. No Chipre, os deputados aprovaram uma moção na qual o texto lembra que colocar em risco o relacionamento com a Rússia que "sempre apoia a República de Chipre", ameaçando os interesses vitais do país.

Aparecida: Hoje a petrolífera estatal italiana Eni divulgou que a Itália pode sobreviver sem o gás russo no inverno de 2014-2015. O país importa 90% de gás, e mais da metade chega da Rússia. O que você acha?

Bytes: Em visita a Roma, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse ao novo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi que as sanções econômicas são necessárias mesmo afetando o Ocidente. “Sabemos que a adoção de sanções econômicas afetará também nossas companhias, visto que a Rússia é uma importante economia global”, disse Obama a Renzi, que tenta superar a crise econômica num país que atrelou a sua economia a Moscou. Vamos esperar agora os próximos capítulos.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal "O Globo" de 25 de março de 1964, cuja manchete foi "O Brasil propõe um pacto mundial de não-agressão": "O chanceler Araújo Castro, falando na Conferência do Desarmamento, em Genebra, afirmou que um convênio para proscrever o emprêgo da fôrça nas relações internacionais fortaleceria o princípio fundamental da Carta da ONU. Renovou também as propostas de suspensão de todas as provas nucleares e de criação de fundo de ajuda aos subdesenvolvidos, operando com as economias feitas nos orçamentos militares". E mais: "Dramático apêlo argentino. Preços aviltados exigem nova política de ajuda. Raul Prebisch, secretário-geral da Conferência Mundial de Comércio, lançou o apêlo aos países ali reunidos, dizendo que a ajuda financeira aos subdesenvolvidos se reduz a nada ou quase nada em face de flutuações de preços e sua deterioração nos mercados mundiais. O documento argentino serve de base para os trabalhos da conferência". E mais: "A marcha da família empolga todos os setores da população. A marcha da Família com Deus pela Liberdade, que acontecerá no dia 2 de abril, está empolgando todos os setores da população carioca, independemente de condição social ou credo religioso. A adesão à grande manifestação democrática aumenta a cada dia. Mais de 600 senhoras se desdobram, dia e noite, para organizar a marcha".

Aparecida: Deu no jornal "O Globo" de 25 de março de 2014, 50 anos depois: "Agora é BBB-. Agência rebaixa nota do Brasil. S&P pune país por má gestão fiscal e baixo crescimento. A agência de classificação de risco Standard&Poor´s reduziu ontem a nota de crédito do Brasil, de BBB para BBB-, citando a deterioração das contas públicas e o baixo crescimento. O país já estava sob perspectiva negativa desde o ano passado, mas analistas de mercado só esperavam um rebaixamento após as eleições. A notícia pegou o governo de surpresa. Em nota, o ministério da Fazenda afirmou a decisão do S&P é ´contraditória com a solidez e os fundamentos do Brasil´. O rebaixamento não tirou do país a condição de grau de investimento". E mais: "Avião da Malásia caiu no Oceano Índico. Com base na análise de dados de satélite, a Malásia anunciou ontem que o voo MH370 caiu no Sul do Oceano Índico, sem sobreviventes entre as 239 pessoas a bordo. Parentes receberam a notícia por SMS e houve desespero. Possíveis destroços foram de novo avistados, mas ainda não recuperados". E mais: "Rússia é excluída de reuniões do G8. Em Haia, Obama lidera esforço de aliados para endurecer sanções após anexação da Crimeia por Moscou. Oficialmente, o terrorismo nuclear foi o principal tópico da reunião que levou representantes de 53 países ontem a Haia. Mas o verdadeiro foco recaiu sobre a discussão dos sete paises mais industrializados (Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão e Reino Unido) sobre como endurecer as sanções à Rússia por sua ofensiva na Crimeia".

Bytes: O colunista Arnaldo Jabor escreveu na última terça-feira o artigo "Éramos uma ilusão em 64". "O golpe de 64 aconteceu porque nós não existíamos. Éramos uma ilusão. A esquerda era uma ilusão no Brasil (já imagino as ´cerdas bravas do javali´ se eriçando em alguns cangotes). Pois não existíamos em 64. Mas, existia o quê? Existia uma revolução verbal. A ideologia ´revolucionária´ era um ensopadinho feito de JK, Marx, Getúlio, Iseb e sonho. Existia uma ideologia que nos dava a sensação de que o ´povo do Brasil marchava conosco´, um wishful thinking de que éramos o ´sal da terra´".

Aparecida: O que você achou do texto do Jabor sobre a ilusão de 64?

Bytes: O colega gaiato lá da facû respondeu, com outra pergunta: "Só em 64 cara-pálida?"

Aparecida: O Brasil é o "sal da terra?"

Bytes: O que podemos afirmar é que, naquele tempo, havia esforços em prol do desarmamento e da paz no mundo. Na mesma edição do jornal "O Globo", há meio século, o presidente estadunidense, o democrata Lyndon Johnson, disse numa palestra a sindicalistas que as nações deveriam recorrer a acordos sensatos porque o mundo mudou e com ele "os métodos de solução para resolver os conflitos internacionais". Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Ah, entendi! Está escrito na "Boa Notícia": "E Jesus falou-lhe de muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis que o semeador saiu a semear. E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na. E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda. Mas, vindo o sol, queimou-se, e secou-se, porque não tinha raiz. E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-na. E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. E, acercando-se dele os discípulos, disseram-lhe: Por que lhes falas por parábolas? Ele, respondendo, disse-lhes: Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado; porque àquele que tem, se dará, e terá em abundância; mas àquele que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado".

Tico: No dia de hoje a Coreia do Norte lançou projéteis que caíram em águas sul-coreanas durante um exercício militar, e as Forças Armadas da Coreia do Sul responderam com disparos semelhantes, em um novo episódio de tensão entre os países. Segundo a agência de notícias francesa Efe, o regime de Kim Jong-un enviou um fax à força naval sul-coreana para notificá-la que realizaria as manobras em sete pontos próximos à sempre tensa fronteira entre os países no mar Amarelo, Seul enviou aviões de combate F-15 à região diante da possibilidade de novos incidentes. O exercício naval norte-coreano é considerado uma nova resposta à manobra conjunta “Foal Eagle”, que Coreia do Sul e Estados Unidos realizam desde o fim de fevereiro e que vão até 18 de abril em território sul-coreano. Por acreditar que o Foal Eagle é "um ensaio de invasão" ao seu país, a Coreia do Norte lançou ao mar nas últimas semanas mísseis de curto e médio alcance. A fronteira do mar Amarelo é uma região especialmente sensível, onde as duas Coreias já tiveram confrontos de gravidades nas últimas décadas. Os Estados Unidos mantém na Coreia do Sul 28 mil militares e se comprometeram a defender seu aliado, herança da Guerra da Coreia que terminou sem um tratado de paz. Ontem, a Coreia do Norte ameaçou realizar um novo teste nuclear, em resposta à decisão da Organização das Nações Unidas (ONU) de condenar o regime de Kim Jong-un por ter lançado mísseis de médio alcance. “Não se descarta um novo tipo de ensaio nuclear para fortalecer ainda mais nossa política de dissuasão nuclear”, informou um comunicado do Ministério de Assuntos Exteriores norte-coreano, segundo a agência estatal de notícias KCNA. Hoje a Rússia condenou os exercícios militares dos Estados Unidos por desestabilizar a península Coreana. Moscou lamentou que as manobras conjuntas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul incluam exercícios "provocadores, como o lançamento de bombas de bombardeiros estratégicos e operações de salto com paraquedas, com a ocupação de 'centros administrativos' estrangeiros".

Teco: No dia de hoje a Turquia informou que unidades de artilharia do país dispararam contra território sírio em retaliação por um foguete que atingiu uma mesquita em município na fronteira entre os dois países. O ataque feriu uma refugiada síria de 60 anos que vivia na Turquia. O incidente ocorre um dia depois da vitória do Partido da Justiça e do Desenvolvimento, liderado pelo primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, nas eleições municipais. Ontem, em pronunciamento à nação, o premier turco prometeu aos adversários fazê-los "pagar o preço" das críticas e das acusações contra ele. "O povo hoje impediu os planos sujos e as armadilhas imorais (...) os que atacaram a Turquia foram desmentidos", declarou Erdogan diante de milhares de partidários reunidos na frente da sede de seu partido, em Ancara. Ele se dirigiu, em particular, ao líder religioso Fethula Gülen, seu ex-aliado, o qual acusa de ter incitado um "complô" para derrubá-lo. O chefe de Governo prometeu acabar com o movimento que Gülen estaria dirigindo dos Estados Unidos, denunciando-o por "ter infiltrado a máquina do Estado". "Vamos invadir seus antros, vocês vão ver (...) Chegou o momento de depurá-los, no âmbito da Justiça", frisou, diante da multidão que lhe respondeu em coro: "A Turquia está orgulhosa de você!". Os simpatizantes do primeiro-ministro o consideram como artífice do impressionante desenvolvimento econômico turco, mas seus críticos o classificam como "ditador". "Os números desse domingo provam que Erdogan sobreviveu aos escândalos sem sofrer muitos danos", disse à agência de notícias AFP o cientista político Mehmet Akif Okur, da Universidade Gazi, de Ancara. A Turquia chegou a crescer 4% em 2013. Enquanto a oposição denunciava escândalos de corrupção, o governo mostrava grampos ilegais promovidos pelo clérigo Gülen no âmbito das instituições do Estado. Erdogan enfrentou também a ira de jovens manifestantes que protestaram contra a interrupção de páginas na Internet e nas redes sociais. Hoje a Bolsa de Istambul chegou a subir 2% diante do resultado eleitoral do governo e a lira turca se valorizou frente ao dólar, algo que não vinha ocorrendo devido à promessa de redução da política de expansionismo monetário promovido pelo Federal Reserve.

Bytes: No dia de hoje Benjamin Netanyahu tomou posse novamente como primeiro-ministro de Israel. Conhecido pelo apelido de "Bibi", ele retomou à liderança do partido Likud em 20 de dezembro de 2005, após ter renunciado em agosto ao Ministério das Finanças por não concordar com o Plano de Desocupação da Faixa de Gaza defendido pelo primeiro-ministro Ariel Sharon. Na oposição, voltou a ser um grande crítico das negociações de paz como nos anos 90 quando denunciou os acordos estabelecidos entre o governo trabalhista de Yitzhak Rabin e a Organização para a Libertação da Palestina. A crítica levou Netanyahu a ganhar as eleições legislativas de maio de 1996, tornando-se, pela primeira vez, primeiro-ministro israelense. Acusado de corrupção, ele perdeu o posto. Sem condenação, voltou ao cargo em 2009. Há 5 anos.

Aparecida: Por falar em acordo de paz, parentes e amigos de vítimas de terrorismo praticado por grupos palestinos fizeram uma manifestação em frente à casa de Netanyahu (acima). Eles protestavam contra a libertação de 26 palestinos que foram presos antes da assinatura dos Acordos de Oslo, em 1993. Israel pretendia libertar os prisioneiros palestinos como parte de um compromisso firmado com os Estados Unidos para negociações de paz, "Os presos não serão libertados hoje (...) talvez nos próximos dias", informou o ministro palestino dos Prisioneiros, Issa Qaraqaë, à agência de notícias AFP.

Bytes: Israel já avisado que não libertaria os presos e Washington desmentiu a informação de que ofereceu a libertação do espião israelense Jonathan Pollard que repassava informação sobre os interesses estadunidenses para as autoridades de Tel Aviv. Enquanto isso, o chefe do governo do Hamas no território palestino, Ismail Haniyeh, disse no domingo retrasado que Israel pagará caro se tentar invadir Gaza. Recentemente, o chefe da diplomacia israelense, Avigdor Lieberman, pregou a reanexação da faixa de Gaza por Israel após foguetes palestinos terem sido lançados em direção ao sul do país. ."Dizemos ao inimigo [israelense] que ameaça voltar a ocupar Gaza que o momento das ameaças acabou. Qualquer agressão ou crime que cometer custará muito caro", afirmou Haniyeh em um ato organizado no centro de Gaza em ocasião do décimo aniversário da morte do líder xeque Ahmed Yassin, num ataque israelense. No discurso, ele também reafirmou que seu movimento "nunca reconhecerá" o Estado de Israel, e advertiu que "a resistência" palestina possui uma capacidade "muito superior" à que Israel imagina.

Aparecida: O processo de paz está ameaçado no Médio Oriente?

Bytes: O que podemos afirmar é que os palestinos rejeitaram a proposta israelense de ampliar as negociações de paz para além de 29 de abril em troca da libertação do último grupo de prisioneiros. Segundo a agência de notícias AFP, uma fonte palestina afirmou que "Israel utiliza a política da chantagem e condiciona seu acordo de libertar o quarto grupo de prisioneiros à aceitação por parte dos palestinos de ampliar as negociações de paz". Ele não especificou que tipo de chantagem Israel utiliza para o acordo dos palestinos.

Bytes: O jornal israelense "Ha'aretz", o ministro israelense Avigdor Lieberman estuda transferir povoados árabes de Israel para um Estado palestino em um futuro acordo de paz. Sob instruções do ministro, um analista legal elaborou esse relatório que foi apresentado há algumas semanas e conclui que a decisão seria de acordo com o direito internacional se for realizada sob consentimento dos palestinos, não deixa nenhuma pessoa sem cidadania e inclui um mecanismo de compensação, semelhante ao usado por Israel com os colonos judeus retirados de Gaza em 2005. O chefe da diplomacia israelense ressaltou que a proposta não representa a "transferência" de população, mas "simplesmente movimentar a fronteira" para o outro lado de uma conhecida estrada do país.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal "O Globo" de 28 de março de 1964 cuja manchete foi "Postos em liberdade os marinheiros sublevados": "Chegou ao fim a crise na Marinha de Guerra com a libertação de marinheiros e fuzileiros que, amotinados no Sindicato dos Metalúrgicos, haviam sido conduzidos presos, da sede dêsse órgão de classe para o Batalhão de Guardas do Exército. O movimento já vinha fomentando com as dissensões entre a Associação dos Marinheiros e Fuzileiros, não reconhecida, e as autoridades navais, em tôrno de reivindicações dos praças das Armadas. Os rebelados foram soltos às 17h30m, 20 minutos antes da hora indicada no acôrdo que o presidente da República firmou de pô-los em liberdade ainda ontem". E mais: "O almirante Silvio Mota, ao transmitir, ontem, o cargo de ministro da Marinha ao almirante Paulo Mário da Cunha Rodrigues, afirmou que a luta pelo acatamento dos princípios constitucionais provocou um radicalismo político que, evoluindo sempre, situou em pólos opostos os grupos que formam o todo partidário do país". E mais: "As entidades que promovem a Marcha da Família com Deus pela Liberdade distribuíram volantes dizendo que o propósito do movimento é prestigiar o regime, a Constituição e o Congresso, manifestando frontal repúdio ao comunismo ateu e antinacional. Fazem apêlo aos participantes da Marcha que cantem, apenas, hinos patrióticos ou religiosos".

Aparecida: Deu no jornal "O Globo" de 28 de março de 2014, 50 anos depois: "Escândalo na Petrobras. Avaliação para compra de Pasadena foi feita em 20 dias. Prazo foi atípico. Análise de informações costuma levar até três meses. Em documento confidencial, a própria empresa reconhece que tempo foi ´muito curto´. Governo vai atacar presidenciáveis em CPI no Senado". E mais: "Queda na aprovação de Dilma leva Bolsa à maior alta em 7 meses. Ibovespa sobe 3,5% e dólar cai 1,73%. Ações de estatais disparam". E mais: "Itamaraty sob pressão. ´Indiferente´ e ´em cima do muro´. Ongs de direitos humanos da Venezuela acusam o Brasil de minimizar os abusos no país, e a Ucrânia pediu a condenação da anexação da Crimeia".

Bytes: O jornal "O Globo" publicou o artigo assinado pelo advogado Rafael Bezerra intitulado "A cultura da violência": "No Rio de Janeiro, uma senhora dirigia seu automóvel com o filho ao lado. De repente foi assaltada por um adolescente, que a roubou, ameaçando cortar a garganta do garoto. Dias depois, a mesma senhora reconhece o assaltante na rua. Acelera o carro, atropela-o e mata-o, com a aprovação dos que presenciaram a cena”.

Aparecida: Por falar em violência, três pessoas, incluindo uma jornalista, morreram na sexta-feira no Cairo durante confrontos entre a polícia e manifestantes que protestavam contra a decisão do ex-chefe do exército Abdel Fattah al-Sissi de se candidatar à presidência. O Egito voltou a enfrentar confrontos de manifestantes com a polícia após a justiça condenar a morte mais de 500 pessoas ligadas ao presidente deposto Mohamed Mursi e à Irmandade Muçulmana. A organização politico-religiosa classificou a decisão como "injusta" e um "novo crime do golpe militar". Um porta-voz da Irmandade Muçulmana, afirmou que a decisão pretende intimidar os manifestantes diante do iminente anúncio da candidatura do chefe do exército, Adelfatah al Sisi, à Presidência. O que você acha?

Bytes: O que podemos afirmar é que Sisi renunciou ao cargo de ministro da Defesa para se candidatar à Presidência, assim como o Egito se absteve durante a votação da resolução da Assembleia Geral da ONU sobre a Ucrânia, alegando padrões duplos a que a comunidade internacional recorre na abordagem e na resolução de crises emergentes. Para o representante permanente do Egito na ONU, Mootaz Ahmadein Khalil, a crise em torno da Ucrânia "afeta todo o sistema mundial". Segundo ele, este sistema "ignora as mudanças fundamentais que ocorreram após a ordem mundial baseada nos princípios da bipolaridade e da Guerra Fria terem deixado de existir".

Aparecida: Por falar no Egito, um vídeo divulgado na internet mostra uma estudante da Universidade do Cairo, no Egito, sendo hostilizada na última terça-feira por universitários que tentaram tirar suas roupas enquanto caminhava pelo campus. A cena parecia muito com a da hoje celebridade Geisy Arruda há quatro anos. Em entrevista a um canal do Egito, o reitor Gaber Nassar disse que a roupa da aluna não era convencional, o que levou ao assédio. Mesmo assim, condenou a atitude dos alunos. O que você acha?

Bytes: Ao ler a reportagem sobre a líder de um protesto por não estupro ter sido ameaçada na Internet de estupro, o colega gaiato lá da facû vaticinou: "O Brasil será o novo Egito". Eu respondi: "O jornal O GLOBO disse que é o Brasil medieval". Na Idade Média apareceu a expressão "Mundus venectus". Em latim, o mundo está envelhecendo. Alheia a tudo isso, a Geizy Arruda ganha o pão nosso de cada dia como conselheira sobre os melhores produtos de feira erótica. Graças à polêmica. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Por falar em mundo que envelhece, a "imprensa velha" publicou que a queda do dólar e o aumento da Bolsa foi sobre a queda de popularidade da presidente Dilma. O que você acha?

Bytes: Quando há desconfiança do mercado, os investidores retiram o dinheiro do país porque temem pelo seu futuro, levando à alta do dólar e a queda da Bolsa. É a economia real. No caso, não se sabe se os investidores leram a notícia de que a Dilma venceria no primeiro turno se a eleição fosse hoje. O grande problema da imprensa velha será inflar o insípido PT por falta de "conteúdo". Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Hoje a atual presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, disse que o compromisso "extraordinário" do banco central dos Estados Unidos em impulsionar a economia, especialmente o mercado de trabalho, ainda será necessário por algum tempo. Durante uma conferência em Chicago, Yellen defendeu de maneira forte as políticas do Fed de taxas de juros baixas e contínuas compras de títulos, ao afirmar que ainda há uma "considerável" ociosidade na economia e no mercado de trabalho. "Acredito que este compromisso extraordinário ainda é necessário e o será por algum tempo, e acredito que essa visão é amplamente compartilhada pelas outras autoridades do Fed". Segundo publicou hoje o jornal "Wall Street Journal", Yellen, ao enfatizar a fraqueza da economia norte-americana, aliviou preocupações do mercado financeiro de que o Fed poderia elevar a taxa de juros antes que o esperado. o que você acha?

Bytes: A Comissão de Concorrência da Suíça anunciou hoje que investiga vários bancos por uma possível manipulação do mercado de divisas. Entre os bancos investigados estão UBS e Credit Suisse, os dois maiores do país, assim como o Banco Cantonal de Zurique e o administrador de fortunas Julius Baer. Os bancos estrangeiros são o JP Morgan Chase & Co, Citigroup, Barclays Bank e Royal Bank of Scotland. "Existem indícios de que estes bancos teriam fechado acordos sobre o preço das divisas", afirmou a comissão. A investigação chegará à popularidade? Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Por falar em popularidade, o que você achou da subida vertiginosa de Putin, que chegou a 80% de aprovação de seu governo após a anexação da Crimeia?

Bytes: Enquanto um sobe, outro desce. O rival Obama desce ladeira abaixo porque os estadunidenses o consideram um líder "fraco". Uma pesquisa divulgada na última quarta-feira mostra que 59% deles desaprova o governo do presidente em geral, principalmente em relação à maneira como Obama vem lidando com a crise ucraniana. Mesmo assim, ele está bem acima dos 72% de rejeição atingindos pelo George W. Bush. Mas os republicanos pegam carona na queda do democrata. "Nós devemos ser um país que ajuda os menores que precisam de nós", disse Christopher Ashby, 29 anos, um republicano da Virgínia. "A Ucrânia neste momento está definitivamente precisando de nós", acrescentou. Enquanto isso, livros que falam sobre a queda do Império Americano vendem como água no Império. "Quando os Estados Unidos não são indispensáveis no Médio Oriente, então o país passa a ser dispensável", escreveu Vali Nasr, reitor de estudos internacionais avançados da Universidade Johns Hopkins no livro "Nação dispensável" que está despertando atenção da opinião pública estadunidense.

Aparecida: Por falar em Obama, a revista alemã "Der Spiegel" publicou que a Agência de Segurança Nacional estadunidense mais de 300 relatórios sobre a chanceler alemã Angela Merkel. Os arquivos estavam armazenados numa base de dados da NSA que "poderia ser uma prova importante" aos olhos da Justiça alemã, que pretende "decidir nos próximos dias sobre a abertura de um inquérito judicial sobre as suspeitas de espionagem", publicou a revista. O que você acha?

Bytes: Em Haia, na Holanda, Obama garantiu aos seus pares que limitará a atuação de espionagem da NSA. Recentemente, os deputados holandeses ficaram escandalizados ao ouvirem a explicação de Snowden como Washington utiliza o aparelhamento do Estado para monitorar as empresas estrangeiras na disputa intercapitalista por mercado. Enquanto isso, os antigos chanceleres alemães falam sobre a crise ucraniana. "O ideal era sentarem-se a dialogar. Favorecia mais a paz do que ameaçar com sanções", disse Helmut Schmidt ao "Die Zeit", semanário alemão do qual é ainda colaborador aos 95 anos de idade. O conservador Helmut Kohl disse em declarações recentes ao tablóide "Bild" que o Ocidente tinha "falta de sensibilidade para os vizinhos russos". Já o social-democrata Gerhard Schröder lembrou a invasão da Sérvia pelas tropas da Otan. "Enviamos os nossos aviões para a Sérvia e, em conjunto com o resto da Otan, bombardeamos um Estado soberano sem apoio da ONU", disse o ex-premier para criticar as declarações de Merkel que chamou a anexação da Crimeia de "vergonhosa". O mundo também está sendo passado a limpo.

Aparecida: O seu Carlos disse, exaltado: "A czarina ainda não se pronunciou sobre a crise em Kiev. O embaixador da Ucrânia disse que o Brasil não pode ficar em cima do muro". Os petistas são tucanos quando lhes interessa?

Aparecida: A tradição do Brasil é ter o menor sangue derramado possível, o que só é possível por meio de acordo político. Vide a ocupação das favelas. Mas escreveu o apóstolo Paulo ao discípulo Timóteo: “A raiz e todos os males é o amor ao dinheiro. Por se terem entregue a ele, alguns se desviaram da fé e se afligem com inúmeros sofrimentos”. Por detrás da matéria, a sensação de "segurança". Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: Ah, entendi! Está escrito na "Boa Notícia": "Naquele dia muitos hão de dizer-me: Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade. Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as observa, será comparado a um homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha. Desceu a chuva, vieram as torrentes, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela não caiu; pois estava edificada sobre a rocha. Mas todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as observa, será comparado a um homem néscio, que edificou a sua casa sobre a areia. Desceu a chuva, vieram as torrentes, sopraram os ventos e bateram com ímpeto contra aquela casa, e ela caiu: e foi grande a sua ruína. Tendo terminado Jesus este discurso, as turbas admiravam-se do seu ensino, porque ele as ensinava como quem tinha autoridade, e não como os escribas do povo".

Tico: No dia de hoje tropas brasileiras começam a se deslocar para promover o golpe de Estado que implantaria a ditadura militar no Brasil. Documentos públicos que só agora foram revelados mostram que os Estados Unidos deu apoio ao golpe militar enviando uma frota da Marinha de Guerra estadunidense com apoio logístico: 100 toneladas de armas leves e munições, navios petroleiros com capacidade para 130 mil barris de combustível, uma esquadrilha de aviões de caça, um navio de transporte de helicópteros com a carga de 50 helicópteros com tripulação e armamento completo, um porta-aviões classe Forrestal, seis destróieres, um encouraçado, além de um navio de transporte de tropas, e 25 aviões C-135 para transporte de material bélico. Ao saber da operação batizada de Brother Sam, o presidente João Goulart, em Porto Alegre, decidiu se exilar no Uruguai. A Operação Popeye, com tropas vindas de Minas Gerais, já tinham apoio do efetivo norte-americano. Naquele tempo, a influência econômica dos Estados Unidos sobre Brasil era muito grande. As empresas multinacionais é quem gerava energia elétrica, forencia água, gás, combustíveis, alimentos, roupas e toda a base do consumo nacional. A nacionalização da empresa de energia estadunidense Bond & Share pelo governador gaúcho Leonel Brizola foi o estopim para a deflagração da crise entre os dois países. Uma missão comandada pelo economista e diplomata Roberto Campos foi a Washington para negociar a indenização, o que gerava mais confronto entre a direita e a esquerda porque Campos era chamado de "vassalo do Império" pelos esquerdistas que consideravam o valor alto demais, enquanto os direitistas consideravam o preço justo. Em Janeiro de 1964, Jango sancionou a Lei de Remessa de Lucros, complicando ainda mais as relações comerciais entre Brasil e Estados Unidos. As empresas estadunidenses ameaçaram fechar suas filiais no país. Sob fogo cruzado, o presidente dos Estados Unidos, Lyndon Johnson, era acusado de ser fraco nas negociações com as reivindicações sociais da América Latina. Ele ordenou à Inteligência norte-americana que fizesse tudo ao seu alcance para tirar Jango do poder. Mesmo no país, o Congresso Nacional declarou a "vacância do poder" que possibilitou a eleição do marechal Castello Branco. Há 50 anos.

Teco: No dia de hoje São Bernardo de Claraval convenceu o imperador francês Luís VII a empunhar a cruz na Segunda Cruzada. Canonizado pelo papa Alexandre III em 1174, São Bernardo pregou num campo de Vézelay, na França, a necessidade de lutar contra os muçulmanos para reconquistar Jerusalém. Idealizador das regras para os templários e compositor da "Salve Rainha", São Bernardo levou também o imperador do Sacro Império Conrado III a aderir à cruzada que terminou num retumbante fracasso para as tropas c cristãs. Escreveu o santo no sermão 36 do Cântico dos Cânticos sobre o conhecimento e a ignorância: "O conhecimento das letras é bom para a instrução, mas o conhecimento da própria fraqueza é mais útil para a salvação (...) Se me abstivesse de falar, pela minha boca condenar-me-ia. Mas o que acontece se eu falar? Também neste caso, corro o mesmo risco, o de ser condenado pela minha própria boca: por pregar e não praticar o que prego. Ajudai-me, pois, com vossas orações, para que eu possa sempre falar o que é necessário e, com minha conduta, praticar o que prego. Tinha vos anunciado o tema do sermão de hoje: a ignorância, ou melhor, as ignorâncias, porque, como lembrais, há duas ignorâncias: a de nós próprios e a de Deus". A pregação de São Bernardo de Claraval que levou à Segunda Cruzada ocorreu há 868 anos.

Bytes: No dia de hoje morreu em Roma, há 101 anos, o banqueiro estadunidense John Pierpont Morgan. Principal acionista do banco JP Morgan, John recebeu a instituição financeira do pai que transformou num grande conglomerado após ser favorecido na grande crise econômica de 1893. Como o Tesouro estadunidense está ameaçado de bancarrota por não possuir reservas em ouro, o presidente Grover Cleveland aceitou a oferta de Morgan para se juntar com os banqueiros europeus da família Rothschilds e fornecer ao Tesouro dos EUA 3,5 milhões de onças de ouro para restaurar o superávit em troca de uma emissão de títulos por 30 anos. Em 1896, Morgan e outros banqueiros de Wall Street elegeram o republicano William McKinley, reeleito em 1900. O filho foi favorecido também com o episódio conhecido "Pânico Financeiro de 1907", quando uma notícia de jornal falava sobre a quebradeira de bancos, o que contaminou todo o sistema financeiro, chegando a Bolsa de Valores de Nova York a perder quase 50% do que havia obtido no grande otimismo do ano anterior. O JP Morgan mostrou, na crise, que estava mais sólido do que outros bancos emergentes.

Aparecida: No dia de hoje nascia, há 418 anos, o matemático francês René Descartes, um dos patriarcas da Era Moderna. Considerado o "pai da matemática moderna", ele é um dos pensadores mais importantes e influentes da História do Pensamento Ocidental. A partir de Descartes, inaugurou o racionalismo da Idade Moderna. O matemático francês estruturou a busca da “certeza” a partir do elemento da "dúvida". Para se chegar ao entendimento sobre o objeto deve-se dividir todas as suas variantes para se chegar à totalidade. É o pensamento cartesiano que tem Descartes a explicação sobre a filosofia como ciência social: "Penso, logo existo". 

Bytes: No dia de hoje morreu, há 287 anos, o matemática britânico Isaac Newton, outro patriarca da Era Moderna. Sua obra, "Philosophiae Naturalis Principia Mathematica", é considerada uma das mais influentes na história da ciência. Publicada em 1687, esta obra descreve a lei da gravitação universal e as três leis de Newton, que fundamentaram a mecânica clássica. "Todos os corpos físicos se atraem entre si", escreveu.

Aparecida: No dia de hoje nasceu, há 43 anos, o ator britânico Ewan McGregor. Eu assisti recentemente o filme "Álbum de família", na qual integra o elenco brilhantado pela atuação de Meryl Streep.

Bytes: Ontem eu fui assistir ao filme "Rio 2", do cineasta brasileiro Carlos Saldanha, diretor de animação da Blue Sky com sede nos Estados Unidos. A história que começa na comemoração do Ano Novo no Rio de Janeiro se transfere para a Floresta Amazônica onde os protagonistas querem conhecer a sua origem: as araras-azuis que pareciam estar ameaçadas de extinção. Dentro das asas da proteção, a busca pelo mais puro, descobrem o medo do mundo selvagem. E a aventura. Os grandes vilões são os madeireiros que devastam a floresta. O filme começa tímido, mas vai ganhando força após a luta contra os madeireiros quando o enredo explora toda a inventividade da equipe da Blue Sky. E somos contemplados com: "Araras-azuis unidas já mais serão exterminadas!" A criançada gosta. O público adulto também. Fui ao cinema no sábado, mas só assisti no domingo porque o ingresso estava esgotado no dia anterior. Deve prometer. 

Aparecida: O filme tem o objetivo de promover a Copa?

Bytes: Se teve esta intenção é bem subliminar. O voo que passa por Ouro Preto, Brasília, a cidade do Salvador até chegar à Amazônia. Alguns locais não vão ter partidas, enquanto outros teriam sido omitidos pelo calendário da Fifa.

Aparecida: Por falar em Fifa, o que houve achou da morte do operário na Arena Corinthians? Parece que ele estava com o cinto solto. 

Bytes: O meu amigo gaiato lá da facû especulou diante da tradição: "Com a morte do operário, o Ministério do Público deve entrar com uma representação na Justiça pedindo a suspensão da obra que abrirá a Copa do Mundo de 2014. O juiz aceitará, haverá um suspense, a liminar será cassada, mas a Fifa protestará por causa da ação do tempo".

Aparecida: Ainda haverá protestos contra a Copa do Mundo no Brasil? Na última manifestantes, os jovens gritavam nas ruas de São Paulo, pulando: "Quem não pula é fascista" e "quem não pula quer a copa". O que você acha?

Bytes: Durante o governo socialista de Salvador Allende, os jovens chilenos de esquerda saíam às ruas gritando e também pulando: "Pula, pula, para não virar burguês!". Em movimento dos contrários, os jovens de direita, gritavam: "Nacionalismo, avante! Frente Nacional! Pátria e liberdade! Chile, Grande! Avante Chile!"

Aparecida: Por falar no Chile, em menos de duas semanas após tomar posse, a presidente Michelle Bachelet enfrentou protestos na semana retrasada em Santiago e Valparaíso. Segundo as agências de notícias, os manifestantes foram calculados em 25 mil, convocados por 40 organizações sociais. "Consideramos que a nova Constituição por meio de uma Assembleia Constituinte pode solucionar os problemas de toda a diversidade de organizações que existe em nosso país", afirmou Oscar Rementería, porta-voz do Movimento de Integração e Libertação Homossexual. A presidente socialista prometeu um ambicioso programa de reformas econômicas com vistas à área social a partir de mudanças na Constituição chilena. O que você acha?

Bytes: O que podemos afirmar é que o governo Bachelet anunciou na segunda-feira que retirará de tramitação no Congresso três leis enviadas pelo antecessor, Sebastián Piñera. o porta-voz do novo governo, Álvaro Elizalde, as iniciativas do ex-presidente "contradizem os princípios e pilares da reforma educacional proposta pela presidente Bachelet". Para o governo socialista, os projetos enviados ao Congresso "estão concebidos sob essa visão de que a educação é um bem de consumo, e não um direito social". O objetivo da reforma será mudar as bases de um modelo privatizado e segregador.

Aparecida: Por falar nas divergências políticas na América do Sul, o que você achou da denúncia de sabotagem após um incêndio ser considerado criminoso no maciço montanhoso que separa Caracas do Mar Caribe afetou o serviço elétrico e de transporte subterrâneo em diversas zonas da capital venezuelana?

Bytes: O importante é tentar esfriar os ânimos dos oponentes em sua dialética. Apesar de desconhecer a Constituição venezuelana, cassar o mandato de uma deputada opositora é caminhar para o extremismo. Mesmo que a origem tenha sido uma presença política da parlamentar numa reunião da OEA. O bom caminho é abrir-se um processo parlamentar para averiguar o decoro, tendo direito de defesa o réu, mesmo que o processo seja longo. Mas como afirmamos em nosso conteúdo, na dialética socialista haverá o desejo de rasgar a carne do "oponente" até sair a última gota de "sangue". Apenas Freud dentro da compressão tempo-espaço.

Aparecida: E como pensa o governo dos Estados Unidos?

Bytes: Deu no jornal "O Globo" de 31 de março de 1964, cuja manchete foi "Criou-se um soviete na Marinha de Guerra": "O líder do PSD na Câmara, Deputado Martins Rodrigues, interpretando o pensamento hoje generalizado na grande maioria de seus companheiros de partido, após as reuniões havidas nos últimos dias, para exame da crise militar, declarou ontem a O GLOBO: O PSD não pode mais silenciar ante o crescente processo de subversão das instituições, especialmente no que diz respeito à infiltração comunista nas Fôrças Armadas , constatação clara e muito fácil de ser feita. Nesse sentido, e ante a gravidade da situação, o partido vai denunciar frontalmente ao País o estado de fato hoje verificado, com elementos comunistas guindados às mais altas posições de Govêrno, agora não sómente em órgãos meramente civis, como a Petrobrás, e outros, mas nas próprias Forças Armadas. ´O que se viu foi a instalação pura e simples de um soviete de marinheiros, subvertendo o princípio da hierarquia e disciplina militares. Ao final, a solução dada pelo Govêrno fortaleceu os rebeldes`, disse o deputado. ´No gabinete do atual Ministro da Marinha estão comunistas declarados. Em altos postos do Exército e da Aeronáutica, o panorama é o mesmo. O resultado é o desrespeito à hierarquia e à indisciplina, no desenrolar de um processo de subversão que a minoria vermelha desencadeia abertamente, objetivando o enfraquecimento, a divisão e o esfacelamento das Forças Armadas, guardiãs das instituições democráticas, que eles pretendem derrubar. Se não reagirmos imediatamente, e o PSD deve tomar a frente de tal reação, dentro em pouco nada mais restará para ser defendido´, acentuou o pessedista" E mais: "A influência comunista no Brasil preocupa Washington. Um funcionário do Departamento de Estado declarou ontem à noite que as recentes manobras dos elementos extremistas no Brasil indicam que o Governo João Goulart está sob crescente influência comunista, o que causa profunda preocupação em Washington acerca do futuro do país". E mais: "Goulart aos sargentos: continuaremos a defender, até com a própria vida, as nossas instituições cristãs. No discurso que pronunciou, ontem à noite, durante as homenagens que lhe foram prestadas pela Associação dos Sargentos Subtenentes da Polícia Militar, no Automóvel Clube do Brasil, disse o Presidente da República: ´A minha palavra e o meu apêlo, é para que os sargentos brasileiros continuem cada vez mais unidos, cada vez mais disciplinados, naquela disciplina consciente, fundada no respeito recíprocro entre comandantes e comandados".

Aparecida: Deu no jornal "O Globo" de 31 de março de 2014, 50 anos depois: "O avanço na pacificação. Maré é ocupada sem resistência do tráfico. O maior complexo de favelas da cidade é tomado sem um tiro das forças policiais. PF apreende drogas e munições. Operação captura mulher do chefe do tráfico e PM que colaborava com criminosos. Secretário de Segurança afirma que a operação é legado para toda a cidade. Briga de moradores acaba com um morto". E mais: "A derrota de Hollande. Vitória da direita na França". E mais: "Anistia: indenizações já somam R$ 3,4 bilhões. Comissão aprovou 40.300 pedidos de reparação a vítimas da Ditadura".

Bytes: Em artigo publicado anteontem no jornal "O Globo", o colunista Arnaldo Bloch escreveu o texto "Sonhos (II). O voo mais puro": "Tinha entre 1 e 2 anos quando me vi, ou melhor, me senti, na pele do Super-Homem solto em algum ponto do espaço sonhado. Não sei se estava uniformizado ou se usava uma capa, mas sei que eu era ele (...) O que eu desejava, mesmo, era avisar à minha mãe sobre a fantástica ocorrência, o que eu só podia fazer de uma forma: gritando seu nome. Seu nome, contudo, nem existia no meu vocabulário, pois a palavra que estava em minha garganta era “mãe”, talvez a única que eu soubesse, ou que eu desejasse saber, àquela altura da vida, dos sentidos e do firmamento (...) A partir daí, a coisa jamais parou de evoluir. Na puberdade eu já conseguia voar na direção da praia, mas com muito esforço e pouquíssima autonomia. Logo tinha que pousar ainda no calçadão. No período de faculdade, em que comecei a viver os anos da porralouquice tardia pós-hippie, já avançava mais, chegava à areia já aterrada, mas algo continuava extremamente incômodo: as braçadas permaneciam penosas, como se o ar fosse tão denso, ou mais, que a água".

Aparecida: Por falar em voo, qual será a direção a ser tomada pelos franceses?

Bytes: O voo foi pela direita. O grande vitorioso nestas eleições municipais foi a Frente Nacional sob a liderança de Marine Le Pen. Ela pediu aos "eurocéticos", críticos da União Europeia, a se unirem em busca da "indentidade francesa". Para Marine, o crescimento da Frente Nacional na eleição de ontem demonstrou que o eleitorado está cansado da bipolaridade que domina a política francesa, dividida entre socialistas e conservadores. A socialista Ségolène Royale, ex-mulher do presidente François Hollande e que disputou a eleição presidencial em 2007 com Nicolás Sarkozy, disse que o resultado foi "um tapa na cara sob a forma de uma severa advertência". Hoje o primeiro-ministro francês Jean-Marc Ayrault apresentou sua renúncia a Hollande. Ele será substituído pelo atual ministro do Interior, Manuel Valls. Ontem, o ex-premier admitiu a derrota, afirmando ser uma "mensagem clara" dos eleitores "que tem de ser ouvida". Hoje o presidente socialista disse que o novo premier francês estará à frente de um "governo de combate". Hollande prometeu realizar cortes nos encargos trabalhistas para as empresas e também reduzir impostos para estimular os gastos dos consumidores. "Entendi sua mensagem, é claro", disse Hollande numa mensagem televisionada à nação na qual reconheceu que nos seus 22 meses no governo não conseguiu até agora mudar a segunda maior economia da zona do euro. "Sem muitas mudanças e muita lentidão. Empregos insuficientes e muito desemprego. Justiça social insuficiente e impostos demais... Eu digo uma vez mais: temos de recolocar nosso país de volta no caminho certo", acrescentou. Apesar da perda de comando em algumas cidades, os socialistas continuaram a controlar a capital Paris, que será governado por uma mulher, como indicaram as pesquisas de opinião.

Aparecida: Por falar em pesquisas, o Datafolha divulgou hoje que 46% dos brasileiros defendem punições a torturadores e outros 41% são contra. Haverá mais indenizações às vítimas da ditadura? O seu Carlos disse, exaltado: "Esses esquerdistas que se dizem vítimas querem uma ´boquinha´ no Estado para não trabalhar. O Brasil mudou com a revolução. Não temos mais a UNE botando fogo na nação e outros grupos querendo a ´ditadura do proletariado´, como Cuba".

Bytes: Em entrevista hoje, a presidente Dilma destacou a importância do direito à verdade e à memória. “É algo tão forte que não dá guarida para o ressentimento, o ódio nem tampouco para o perdão”, afirmou, sinalizando que não pretende rever a Lei de Anistia.

Aparecida: O que você acha da memória?

Bytes: É algo mais afeito aos "anciãos". Quando o corpo já não acompanha mais a "energia vital", vem a expressão: "Recordar é viver!" O mais importante da memória é a existência da história, sangrenta como lemos nos livros dos bancos escolares. O futuro repetir o passado, mesmo que os protagonistas sejam outros.

Aparecida: Qual foi a participação do controvertido cabo Anselmo para a instalação da ditadura?

Bytes: Os militares que já tinham considerado uma "provocação" o comício de Jango ser na Central do Brasil, em frente ao Comando do Exército, enxergaram também no movimento dos marinheiros brasileiros a mesma rebeldia dos marinheiros russos que foi um dos estopins para a Revolução Socialista de Outubro. Como excelente orador, o cabo Anselmo traduziu o sentimento dos comandados, adeptos da tese de esquerda, em contraposição à dos comandantes, adeptos da direita. E discursou o cabo para o presidente da República: “Aceite, Senhor Presidente, a saudação dos marinheiros e fuzileiros navais do Brasil, que são filhos e irmãos dos operários, dos camponeses, dos estudantes, das donas de casa, dos intelectuais e dos oficiais progressistas das nossas Forças Armadas; Aceite, Senhor Presidente, a saudação daqueles que juraram defender a Pátria, e a defenderão se preciso for com o próprio sangue dos inimigos do povo: latifúndio e imperialismo; Aceite, Senhor Presidente, a saudação do povo fardado que, com ansiedade, espera a realização efetiva das reformas de base, que libertarão da miséria os explorados do campo e da cidade, dos navios e dos quartéis. ! (...) Será subversivo manter cursos para marinheiros e fuzileiros? Será subversivo dar assistência médica e jurídica? Será subversivo visitar a Petrobrás? Será subversivo convidar o Presidente da República para dialogar com o povo fardado? Quem tenta subverter a ordem não são os marinheiros, os soldados, os fuzileiros, os sargentos e os oficiais nacionalistas, como também não são os operários, os camponeses e os estudantes. A verdade deve ser dita. Quem, neste País, tenta subverter a ordem são os aliados das forças ocultas, que levaram um Presidente ao suicídio, outro à renúncia, e tentaram impedir a posse de Jango e agora impedem a realização das reformas de base; quem tenta subverter são aqueles que expulsaram da gloriosa Marinha o nosso diretor, em Ladário, por ter colocado na sala de reuniões um cartaz defendendo o monopólio integral do petróleo; quem tenta subverter a ordem são aqueles que proibiram os marujos do Brasil, nos navios, de ouvir a transmissão radiofônica do comício das reformas".

Aparecida: O seu Carlos disse, exaltado: "Não havia ditadura. O presidente era escolhida pelo Congresso como nos Estados Unidos a escolha é feita pelo Colégio Eleitoral. Foi assim com Bush que ganhou de Al Gore, apesar dele ter os votos populares. E ninguém critica os Estados Unidos como país não democrático porque lá o povo se sente participante do processo político". O que você acha?

Bytes: Em entrevista à "Folha", o ex-ministro Célio Borja disse que não havia ditadura militar, mas governo com "plenos poderes". É uma questão de "ponto de vista?"

Aparecida: E o coronel Manhães?

Bytes: Segundo o colega gaiato lá da facû, ele está a cara de Saddam.

Aparecida: E como você vê 64?

Bytes: Os militares dirão que foram convocados a depor Jango por clamor popular. A tônica está no editorial "Basta!" publicado pelo "Correio da Manhã" há exatamente meio século, bem antes da redação do jornal ser invadida por se opor à ditadura. Os que apoiaram vão dizer que queriam apenas depor Jango, devido às reformas que alterariam a Constituição, mas a favor da preservação das eleições diretas de 1965. A minha opinião é que se não houvesse 64 o Brasil não estaria entre os países democráticos na compressão do espaço de tempo. Para os capitalistas, meia palavra basta.

Aparecida: A presidente Dilma afirmou que os "brasileiros aprenderam com a ditadura o valor da liberdade". O que você acha?

Bytes: O problema não é a liberdade. Afinal, todos a defendem como verdade. O problema é usar o poder para calar o oponente em nome da liberdade. O que vemos é que os brasileiros não sabem por onde ir porque não há ainda o entendimento sobre a ciência do bem e do mal. Disse Hitler, proclamando a "liberdade": "A massa é alma feminina, sujeita a dúvidas e incertezas acerca do princípio da realidade. Por isso, a propaganda tem que ser dirigida à massa". Mas explicou o apóstolo Paulo aos gálatas: "É para liberdade que Cristo nos libertou".

Aparecida: Por falar em liberdade, a UPP libertará a opressão nas comunidades liderada pelo tráfico e pelas milícias? Uma amiga que mora em Santa Cruz me contou que a milícia ordenou o toque de recolher às sete da noite porque os traficantes da Maré são os novos moradores da comunidade.

Bytes: A ocupação do Complexo da Maré ontem por policiais (acima) é a ocupação física do que antes não existia Estado. Como capitalistas, vamos além da propaganda para não frustar a massa. É apenas o primeiro passo. Cabe à segurança reforçar a Inteligência e os servidores da área social implementares políticas sociais. E esperar. Afinal, disse Nosso Senhor Jesus Cristo aos seus discípulos: "Não existe maior amor neste mundo ao que dá a vida pelos seus amigos".

Aparecida: O que você acha do mundo contemporâneo?

Bytes: Enterrou a Era Moderna. Freud sepultou Descartes, enquanto Einstein fez o mesmo com Newton, apesar do foguete necessitar da mecânica da gravidade para romper o espaço. Mas ´hoje é possível imprimir qualquer tipo de imagem virtual como matéria graças à Terceira Dimensão. Escreveu o gênio Einstein: "Sem religião, a ciência é manca; sem ciência, a religião é cega".

Aparecida: A maioria dos brasileiros crê que a Copa será um fracasso e um caos. O desenho animado Simpsons apostou na Alemanha na conquista do caneco no Maracanã. Já o jornalista alemão Ralf Itzel criticou a retirada do ar de uma reportagem sobre alertas para os turistas que pretendem vir ao Brasil. Segundo ele, ao atravessar a rua, tenham cuidado porque podem ser atropelados". O que você acha?

Bytes: Como capitalistas, somos intransigentes à censura a qualquer liberdade de expressão desde que não convoque explicitamente a convulsão social. Afinal, a nossa moeda tem um nome: "real". Quanto à Copa, há muita especulação. O colega gaiato lá da facû crê que na apresentação haverá algum tipo de protesto, nem que seja a da ativista reclamando contra a pesquisa que falou sobre a mentalidade dos homens diante do estupro. Veja o lado bom da história: Em tempos de nacionalismo acerbado, podemos ouvir brasileiros dizerem que têm vergonha de ter nascido no Brasil. Veja o lado ruim do processo histórico ao ouvir a reação do mundo em cadeia: "Como os pobres de espírito da história podem ser bem-aventurados?"

Aparecida: Ah, entendi! Revelou Nosso Senhor Jesus Cristo aos seus discípulos: "E Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos, abriu a boca para ensinar, dizendo: Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino de Deus; Bem-aventurados os que choram, porque erão consolados. Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus. Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino de Deus. Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que vieram antes de vós.

AOS MATEMÁTICOS DESCARTES E NEWTON

Rio de Janeiro, 31 de março de 2014

Exibições: 240

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço