por Helô

Tem atualização

Mas agora já acreditamos que seu nome era Ascendina dos Santos. Pesquisador sofre! Haha. Foi tão simples descobrir esse nome como encontrar uma agulha no palheiro, mas as lentes investigativas da equipe do Teatro de Revista não descansam. Sabíamos por fonte segura, o Dicionário Cravo Albin, o principal: Rosa Negra havia trabalhado em "Pirão de Areia", Revista de Marques Porto, em 1926. A partir daí, pesquisei algumas revistas que circulavam no Rio de Janeiro na década de 20. Encontrei artigos em "O Malho" e na revista "Para Todos".

Primeiro, encontrei uma foto do elenco principal de Pirão de Areia.
Nada de Rosa Negra.



Depois, o elenco detalhado (com bela foto ilustrativa de Margarida Max na Revista "As Encantadoras", não em Pirão de Areia).



Na página seguinte, também com imagens ilustrativas de uma bailarina que nada tem a ver com Pirão de Areia, no finalzinho do elenco seu nome aparece: "Ascendina"!
Viva!!! Mas ainda não temos foto e também me parece que era o nome da personagem.



Em um documento* sobre Pixinguinha, tudo nos leva a crer que Ascendina dos Santos era mesmo Rosa Negra.

Independentemente das leituras e reações que suscitava, o fato é que o negro conquistara um novo espaço nos palcos brasileiros, especialmente no Rio de Janeiro – e, certamente, por influência européia. Prova disso foi a contratação de um “corpo de coristas de cor” (as chamadas “dark-girls”)53 pela Companhia de Revistas do teatro São José (uma das mais populares da época), poucos meses após o “estouro” de Josephine Baker em Paris. Também data dessa época a ascensão da “estrela negra” Ascendina dos Santos, grande sucesso dos palcos cariocas em 1926. Sem falar na proliferação das jazz bands, que continuavam em pleno sucesso – contrariando, assim, o prognóstico da Revista Musical.

*Ainda não pesquisei sobre o documento em questão. Pelo endereço, pode ser parte de uma dissertação da Universidade Federal de Santa Catarina.


Avançamos mais um pouco, mas continuamos querendo uma foto de "Rosa Negra". Quem primeiro encontrar ganha um brinde surpresa da equipe do Teatro de Revista, haha. Vamos lá, pessoal!

"Elementar, meu caro Watson"


Fonte: Revista Para Todos (Rio de Janeiro, 1926)


*******


Atualização I (01/06/2009)

Após a descoberta do nome Ascendina na revista "Para Todos", novos parâmetros foram adicionados à pesquisa.

Nirlene Nepomuceno (PUC-SP, 2006), em sua dissertação "Testemunho de Poéticas Negras: De Chocolat e a Companhia Negra de Revistas no Rio de Janeiro (1926-1927)", diz o seguinte:

Páginas 118 e 119, Capítulo 3 - Racismo, fascínio e temor entre o dito e o interdito na imprensa carioca.

(...) Os registros iniciais da imprensa sobre a organização da companhia teatral formada unicamente por pretos e mulatos datam do início de 1926 o mesclam ceticismo, perplexidade, entusiasmo e preconceito.
O Malho optou por noticiar a formação do grupo, em fevereiro daquele ano, na forma de um fictício (e de mau gosto) classificado de "procura-se".

Precisa-se de negros e negras para a organização teatral de uma companhia teatral destinada a enfeitiçar o Rialto. Devem ser absolutamente retintos e não muito horrendos, idade entre 16 e 40 anos, sabendo ler, escrever e dançar. Procurar Sr. Mário Nunes, no "Jornal do Brasil". 257

257 O Malho de 27-02-1926. A revista, em várias outras ocasiões, lançou mão de entrevistas fictícais para satirizar a Companhia Negra de Revistas, De Chocolat e outros artistas Negros, como a atriz Ascendina Santos.


No capítulo 4, página 136, A crise de domésticas versus Companhia Negra de Revistas, Nirlene cita novamente a atriz.



Há outras citações da atriz no documento que disponibilizamos para download. As dúvidas sobre o verdadeiro nome de Rosa Negra continuam. A coincidência do nome da personagem em "Pirão de Areia" é curiosa, mas ao mesmo tempo não encontramos ainda nenhuma afirmativa de que seu nome era mesmo Ascendina.

Testemunho de Poéticas Negras.pdf

O que acham os amigos?


*******


Atualização II (01/06/2009)

"Repare nessa foto de grupo já publicada na Página. O detalhe eu destaquei. A foto é de 1927, ano de sucesso da Rosa Negra. Só os mais destacados são identificados na legenda. Mas há apenas uma negra no grupo, segurando o estandarte com o nome da peça. Pode ser ela." (Henrique)


Artigo de Jeferson Bacelar sobre a Companhia Negra de Revistas:

Companhia Negra de Revista.doc


*******


Atualização III (18/06/2010)


Leia nosso post publicado em setembro/2009, clicando aqui. Nele esclarecemos que Ascendina e Rosa Negra eram atrizes diferentes.

Exibições: 1481

Comentário de Teatro de Revista em 2 junho 2009 às 3:07
Helô,
Em relação a Rosa Negra tem uma dica na minha matéria: ... "sambista que participou da fundação de Escolas de Samba, em São Paulo".
Você não acha que poderia ser mais uma fonte de pesquisa para nós?
"Detetives" independentes em ação....
Beijos.
Laura.
Comentário de Teatro de Revista em 2 junho 2009 às 16:04
Laurinha
Tentei encontrar alguma coisa sobre a apresentação da Cia Negra de Revistas no Teatro Cassino Antarctica, em São Paulo, mas nada consegui. Mas se no Rio está difícil, creio que em São Paulo mais ainda será. Mas a gente não desiste!!! \o/ \o/
Sobre o link e a "possível" Rosa Negra na foto, foram enviados pelo Henrique. Sinal que estamos todos em sintonia :)
Beijos.
Helô
Comentário de Teatro de Revista em 2 junho 2009 às 16:43
Pista para encontrar registros da Rosa Negra em São Paulo.
A Companhia Negra de Revistas se apresentou em São Paulo nos últimos meses de 1926, depois de estrear no Rio em agosto do mesmo ano. As excursões eram curtas por falta de recursos. O Estadão publicou matéria destacando a atuação de Rosa Negra. Já li menção sobre isso mas sem especificar a data da edição. Eu pesquisaria de cara as edições de Setembro e Outubro do Estadão. Ou mesmo Agosto e Setembro. De São Paulo a Companhia foi para Minas Gerais. Assim que puder vou tentar localizar na Biblioteca Nacional aqui no Rio.
abraço,
Henrique Marques Porto
Comentário de luzete em 8 setembro 2009 às 20:40
Oi crianças do teatro.
comovida, viu. vcs são f... ihhhhhh, não pode palavrão, mas que são, ah, isto, são!

mas vejam que vcs fazem referencia a uma dissertação da UFSC, portanto, se precisarem de mim, não esqueçam. estou aqui, viu, em floripa.

beijos.
Comentário de Theotonio de Paiva em 8 setembro 2009 às 20:42
Parabéns! Estou orgulhoso por vocês.
Grandes beijos, Theo
Comentário de Marcello Campos em 21 setembro 2009 às 19:07
Pessoal!
Aqui fala o jornalista e pesquisador Marcello Campos, de Porto Alegre/RS. Estou pesquisando a vida do catarinense Candido Jose dos Santos (1896-1990), vulgo "Bataclan", maior personagem popular da história da Capital gaúcha e que também atuou em outras praças, como Curitiba/PR. Pois essa figuraça, que pregava o vegetarianismo e o exercício físico, e que ganhava a vida como propagandista free-lancer nas ruas, além de atuar como bem-feitor social através da arrecadação e distribuição de donativos para os pobres, durante toda a vida declarou em entrevistas que teria desembarcado em Porto Alegre como integrante da Cia. Negra de Revistas, junto com Rosa Negra, etc. No entanto, nos registros da imprensa da época (junho-julho de 1927) não consta o nome dele nem o apelido, o que me faz levantar dúvidas sobre a veracidade da afirmação, tendo em vista o fato adicional de que ele era um pouquinho dado a alimentar pequenas lorotas para ampliar a lenda em torno de si, o que não tira o brilho do personagem e, de qualquer forma, indica que ele travou algum tipo de contato com a Cia Negra de Revistas, ainda que meramente através de cartazes ou informações da própria imprensa. Ou teria ele participado do grupo???
Alguém tem alguma luz para mim?
Alguém tem o contato da Nirlene Nepomuceno ou do Orlando de Barros?
Abraço a todos!
Marcello Campos - jornal26@gmail.com
Comentário de Teatro de Revista em 21 setembro 2009 às 20:48
Marcello,
Na matéria "Preconceito Racial no Teatro de Revista" há uma foto de grupo da Companhia Negra de Revistas, de 1926 ou 1927, provavelmente tirada aqui no Rio de Janeiro. Talvez você consiga identificar Cândido José, o "Bataclan". E, se não me engano, num dos comentários alguém postou uma lista com os nomes dos membros da Companhia Negra. Não devia ser "lorota" dele. Pouca gente sabe a respeito da Companhia Negra de Revistas, e menos ainda sobre a Rosa Negra. Por que ele contaria vantagem por ter participado de um grupo teatral e conhecido alguém que quase ninguém sabe quem foi?
abraço
Henrique Marques Porto

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço