Minha mãe foi lavandeira. Lavava roupas ”para fora” no sentido estrito da palavra. Dessa forma ajudava meu pai no sustento da casa. Quem ia entregar as roupas era eu. Perto do estádio de futebol 19 de Outubro, em Ijuí RS,  se a memória não falha, havia uma lavanderia pública onde quem quisesse  poderia aportar com as suas roupas e sabões e fazer o que tinha de ser feito. Era uma construção enorme com uns trinta tanques.

Minha mãe não a usava. Preferia lavar numa sanga (gauchês = córrego, riacho) que existia no final da nossa rua. Uma vez a questionei do porquê dela não ir até a lavanderia já que era de todos e com certeza, mais confortável que ficar de joelhos à beira d’água. Do seu jeitinho me explicou que não gostava do ambiente. E mais não disse. Na primeira oportunidade que tive, ao passar pela lavanderia, parei e como quem não quer nada, fiquei prestando atenção. As fofocas corriam soltas. Num determinado momento, bate-boca violento e se não houvesse intervenção de outras, duas teriam se agarrado. Outras querendo ver o circo pegar fogo  as incitavam.

 Espaço plural e democrático!

Chegando a casa falei para minha mãe que a entendia quando não queria ir até a lavanderia. E mais não disse.

O que isso tem em comum com a situação atual das ruas no Brasil?

O meu sentimento, a minha percepção, o meu olhar, o meu conhecimento, me revela uma grande, uma enorme lavanderia. Um monte de roupas sujas. Lavandeiras mil se acotovelando, cada uma com sua sujeira (bandeira) tentando dar um acabamento ao seu vestuário (desejo, objetivo, interesse). Esquecem o Sabão (solução). Não o trazem para a grande lavanderia.

Como a variedade é grande e depende da perspectiva de cada grupo, como nem pensaram em solução, como não há unidade e num ambiente assim nunca haverá, o movimento serve a muitos propósitos.

O primeiro é que haja o movimento. Não,  necessariamente, com algum objetivo. Qualquer um serve, pois é a “democracia” em curso. O momento, Copa das Confederações, véspera da visita Papal, véspera da Copa do Mundo e véspera de eleições, nem Maquiavel escolheria melhor... Com as pesquisas indicando vitória no primeiro turno. Com a certeza de que o Governo mesmo espicaçado até por juízes, conseguiu levar a contento as obras para os eventos. Com a vitrine mundial se abrindo para nossa economia. Com as conquistas internacionais de postos  na ONU por brasileiros elevando nosso prestígio no Mundo. Com Lula, deitando cátedra mundialmente. Com tudo isso, quem está perdendo no campo político(oposição e seus defensores) ou econômico(países que estão perdendo hegemonia sobre a  América do Sul) no mínimo tenta se aproveitar da ocasião e no máximo, me atrevo a dizer, fomentou esse movimento que não é espontâneo.

Outro propósito, para a grande massa, talvez seja mesmo a solução de vários problemas pontuais como o das tarifas. Como não trazem solução, só querem resultado, a resposta com alguma redução tenderá a resolver momentaneamente e dissolver o núcleo principal. O problema em si, que é o anacronismo corrupto que envolve esse tipo de concessão (e outros como as comunicações e mídias) não será resolvido.

A propósito dos problemas estruturais (corrupção, reforma política, melhor desempenho governamental nas áreas públicas) o movimento não sinaliza com qualquer tipo de solução sendo nesse sentido, são usados somente para “encher lingüiça” e dar corpo à pauta de reinvindicações.

Soluções que realmente mudem o Brasil? Levará tempo. Levará estudo. Levará união em torno de. Levará consciência geral muito desperta.  Não vejo nada disso. Vejo um imediatismo que não se concretizará e que serve somente para pressionar os governos. As soluções advindas de políticas açodadas nunca trouxeram bons resultados.

Temos uma base muito boa para iniciar essa ruptura com velhos problemas. O atual governo, quer queiram quer não, atacou alguns entraves ao desenvolvimento. A inflação, apesar da mídia e seus tomates, está sim controlada e o governo tem sim meios de mantê-la assim. Os juros altos, bandeira surrada por décadas por todos os partidos, foram sim atacados e resolvidos. Os problemas de infra estrutura estão sendo atacados da melhor maneira possível, nenhuma outra solução foi apontada. O PIB apesar de pequeno, é positivo contra os de outros países desenvolvidos que se apresentam de uma forma negativa com perspectiva longa para recuperação. Não temos desemprego alucinante. Estamos aumentando número de vagas universitárias e técnicas. Há programas disponíveis para municípios e estados melhorarem o desempenho de suas escolas. Na saúde nunca houve uma cobertura grátis para remédios tão grande como a atual. Se olharmos números, é insignificante o número de mortes por falta de atendimento, o que para mim ainda é muito gritante, mas não é a epidemia que a mídia pinta! A corrupção nunca foi tão escancarada pelas ações da polícia e nunca foi tão seletiva nas soluções pela Justiça em todos os níveis. A reforma política não será executada sem uma constituinte exclusiva, sem políticos de carreira e paraquedistas de última hora .

Por tudo isso acredito que sim é valido esse “chacoalhar” das estruturas como visível constrangimento de alto a baixo de todos os escalões políticos da nação, mas com apresentação de soluções senão...  

...vira uma imensa lavanderia como nos meus tempos de piá.

Sem apresentarem soluções melhores das que aí estão, esse movimento não me representa.

Exibições: 86

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço