UAI! E POR QUE NÃO QUEBRAR OS SIGILOS DO OUTRO ADVOGADO DE CACHOEIRA?

UAI!  

E POR QUE NÃO QUEBRAR OS SIGILOS

DO OUTRO ADVOGADO DE CACHOEIRA?

Não seria a melhor forma de

rastrear os R$ 15 milhões 

recebidos de CACHOEIRA,

como honorários?

Ou será que só porque 

é também Advogado de alguns

da banda de cá ele está 

imune a qualquer suspeita?

Marco Nogueira

0/05/2012 - 21h49

CPI quebra sigilos de empresa que tem advogado de Demóstenes como sócio

PUBLICIDADE

RUBENS VALENTE
ANDREZA MATAIS
BRENO COSTA
DE BRASÍLIA

Além da convocação dos governadores de Goiás, Marconi Perillo, e do Distrito Federal, Agnelo Queiróz, a CPI do Cachoeira também aprovou nesta quarta-feira a quebra dos sigilos fiscal, bancário, telefônico e dos e-mails de uma empresa que tem entre seus sócios o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defende dois investigados pela comissão.

A Data Traffic recebeu do governo federal R$ 30 milhões entre 2010 e 2012, em contratos com o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) na área de fiscalização eletrônica nas estradas.

CPI aprova convocação dos governadores de Goiás e do DF
CPI aprova quebra do sigilos de Demóstenes Torres

José Cruz/Divulgação/Agência Senado
O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay (à esq.)acompanha Demóstenes no Senado
O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay (à esq.), acompanha Demóstenes Torres no Senado

Em diálogos interceptados pela Polícia Federal, a empresa foi citada várias vezes por integrantes do esquema de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Por requerimento do deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR), a empresa teve seus sigilos quebrados nos últimos dez anos.

"A empresa tem ligação com várias lideranças de Brasília", diz o deputado, no requerimento.

Diretores da empresa participaram de uma série de reuniões com membros para discutir a formação de um consórcio interessado em ganhar um contrato no governo de Goiás.

Em conversa entre Cachoeira e Wladimir Garcez, apontado pela PF como braço político do esquema, em 5 de maio de 2011, eles combinam que a Data Traffic será a líder do consórcio, com 39%, a Delta terá 36% e os demais 25% ficariam divididos entre duas empresas.

"Wladimir sugere que se Carlinhos quiser e achar que tem clima, pode interceder junto ao governador [de Goiás, Marconi Perillo] para pedir para a Delta ser a líder no contrato", escreveu a PF em seu relatório.

Kakay disse que tem "apenas" 7% da empresa e que colocou sua cota à venda no ano passado. "Nunca fui a sede da empresa. É apenas um investimento." O irmão de Kakay, Marcos de Almeida Castro, também é sócio da empresa.

Amigo de petistas como o ex-ministro José Dirceu, Kakay é advogado de dois investigados pela CPI do Cachoeira: o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) e Marconi Perillo (PSDB).
Acusados pela PF de colaborarem com negócios ilegais de Cachoeira.

Kakay também é advogado de Carolina Dieckmann no caso da divulgação de fotos íntimas da atriz.

Exibições: 57

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2020   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço