CONTO DE AREIA (de: Romildo S. Bastos e Toninho Nascimento)

É água no mar, é maré cheia ô, mareia ô mareia, é água no mar...
É água no mar é maré cheia ô mareia ô mareia...

Contam que toda tristeza que tem na Bahia
Nasceu de uns olhos morenos molhados de mar
Não sei se é conto de areia ou se é fantasia
Que a luz da candeia alumia pra gente contar...

Um dia a morena enfeitada de rosas e rendas
Abriu seu sorriso de moça e pediu pra dançar
A noite emprestou as estrelas bordadas de prata
E as águas de Amaralina eram gotas de luar...

Era um peito só cheio de promessa era só...
Era um peito só cheio de promessa era só...

Quem foi que mandou o seu amor se fazer de canoeiro
O vento que rola nas palmas arrasta o veleiro
E leva pro meio das águas de Iemanjá
E o mestre valente vagueia olhando pra areia sem poder chegar...
Adeus amor...

Adeus meu amor não me espere porque eu já vou-me embora
Pro reino que esconde os tesouros de minha senhora
Desfia colares de conchas pra vida passar
E deixa de olhar pro veleiro
Adeus meu amor eu não vou mais voltar...

Foi beira-mar, foi beira-mar quem chamou
Foi beira-mar ê, foi beira-mar...

Classificação:
  • Atualmente, 5/5 estrelas.

Exibições: 48

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Comentário de Stella Maris em 10 agosto 2010 às 13:29
Aplausos!!!!

Publicidade

© 2021   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço