Compositor Brasileiro: Harry Crowl (1958)
Obra: Concerto Para Violino, 12 Instrumentistas E Soprano - Ária (In Memoriam Carlos Drummond de Andrade)
Intérprete: Lucila Tragtenberg
Violino: Hariton Nathanailidis
Regente: Sérgio Dias
Poesia: Drummond



* Amar o perdido


Ler um poema é deduzir referências que o poeta deixa implícitas ou que vamos suprindo por conta própria, como se junto de cada frase do poema houvesse um asterisco remetendo para uma nota ao pé da página -- só que a nota está em branco, e cabe ao leitor preenchê-la. Tem um poema de Carlos Drummond de Andrade que parece um dos mais simples, mas sempre me deixou com a pulga atrás da orelha. É o poeminha "Memória" (em "Claro Enigma"), talvez um dos primeiros que li do poeta, pois aparecia manuscrito em fac-símile na Enciclopédia Delta-Larousse, que foi a Internet da minha infância. Diz o poema: "Amar o perdido / deixa confundido / este coração. // Nada pode o olvido / contra o sem sentido / apelo do Não. // As coisas tangíveis / tornam-se insensíveis / à palma da mão. // Mas as coisas findas, / muito mais que lindas, / essas ficarão".

Quatro estrofezinhas, cada uma com quinze sílabas métricas, numa cadência 5-5-5 cujo ritmo implacável é reforçado pelo "ão" com que se encerram. A estrofe inicial não tem mistério: "Amar o perdido deixa confundido este coração". À primeira vista é o tema da perda da pessoa amada, um dos grandes lugares comuns da poesia lírica. Mas eu penso que CDA se refere a algo mais sutil: o amor que só brota após a perda. Como ocorre com a amante do poema "Caso do vestido" (em "A Rosa do Povo"), que confessa à mulher cujo marido roubou: "Eu não tinha amor por ele / ao depois amor pegou". Ou então a fórmula que ele estabelece no poema "Perguntas" (também em "Claro enigma"), em que o Poeta vê um "fantasma" no espelho trazendo-lhe recordações da infância e dizendo-lhe, ao se despedir: "Amar, depois de perder". O que talvez seja a versão drummondiana para outro lugar comum: "eu era feliz e não sabia".

Amar o perdido confunde o coração do poeta porque insinua a possibilidade de que na verdade só amamos o que não temos. Nosso objeto preferencial de amor é o sonho, a utopia, o inalcançável -- ou, mais realistamente, o ainda inalcançado. Somos todos Don Juans a quem a conquista fascina e a posse provoca o tédio. Ou então somos crianças freudianamente impelidas por pulsões de tal magnitude que nada as satisfaz, nem mesmo a conquista do objeto desejado. O desejo que não foi satisfeito hoje nunca poderá ser satisfeito amanhã, porque nesse caso estaremos satisfazendo apenas o desejo de amanhã. Basta ter desejado em vão por um minuto para continuar desejando por toda a Eternidade.

O verdadeiro desejo nunca é satisfeito, porque o que no fundo desejamos é um objeto total, um arquétipo platônico que funde em si todas as possibilidades daquele ser -- e o que obtemos na vida real é o objeto real, com suas incompletudes e defeitos. É como desejar o Oceano e poder apenas encher as mãos em concha. Amamos o que é conquistado, mas amamos ainda mais o que não conquistamos, porque é um sonho que não se desvalorizou em realidade...

Leia tudo: http://www.cronopios.com.br/site/colunistas.asp?id=2806

Classificação:
  • Atualmente, 5/5 estrelas.

Exibições: 100

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Publicidade

© 2019   Criado por Luis Nassif.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço